Afinal, o que é café arábica?

 


Mas, afinal, o que é café arábica? Várias embalagens de café trazem a informação “100% arábica”, mas muita gente desconhece o que isso significa.

Em primeiro lugar, o famoso e querido cafezinho, que acompanha a rotina de brasileiros, tem origem em diferentes tipos de plantas, como a Coffea arabica e a Coffea canéfora. Estas, por sua vez, resultam nos grãos de cafés arábica e robusta (ou conilon), que são os predominantes no Brasil.

Os dois tipos possuem inúmeras diferenças. Mas, a principal está ligada a complexidade de sabor.

De acordo com Eduardo Renê da Cruz, coordenador do Desenvolvimento Técnico da Cooxupé, a composição química do grão de café arábica é que confere a qualidade diferenciada a este tipo de café. “Os carboidratos, lipídeos, proteínas, minerais e metabólitos secundários são os principais componentes que contribuem para a qualidade”, afirma.

Mas, para se obter um café arábica com a máxima qualidade, Renê frisa que há diversas práticas que o produtor precisa implementar na propriedade. “Estas ações vão desde a nutrição adequada da lavoura até o armazenamento do café beneficiado quando já está pronto para a comercialização.”

O que é café arábica?

O café arábica (Coffea arábica) é uma espécie originária da Etiópia e foi uma das primeiras espécies de café a ser produzida.

cafe arabica

De acordo com matéria publicada pelo portal Review Café, acredita-se que herdou esse nome “arábica” por ter tido o seu cultivo propagado pelos árabes na região da Arábia, há milhares de anos.

Atualmente, a espécie é cultivada no mundo todo. No Brasil, a sua produção está mais concentrada em Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Bahia. Já o Espírito Santo, embora também produza em menor quantidade, segue acompanhando Rondônia em uma produção maior de café robusta.

A espécie arábica é mais sensível e, portanto, mais sujeita a pragas e intempéries. Além disso, os pés de café se desenvolvem melhor em altitudes superiores a 800 m, em temperaturas amenas e condições consideradas ideais para a produção de cafés de qualidade superior. Por isso, resultam em grãos de café de maior valor de mercado.

Assim, o café arábica é conhecido por ser uma espécie de grão especial, de maior complexidade no cultivo, com diversas notas de aromas intensos e sabores bastante variados, assim como níveis de corpo e acidez.

Cultivares de café arábica

Além disso, o que muita gente também não sabe é que o grão de arábica possui muitas cultivares e que a espécie é responsável por cerca de três quartos da produção mundial da bebida.

No Brasil, as variedades mais comuns são a Catuaí e Mundo Novo. Contudo, existem ainda outras cultivares, como a Bourbon Amarelo e Vermelho, Acaiá, Catucaí, entre outras. Em que cada uma delas se destaca por características sensoriais diferentes, agradando os mais variados paladares.

Números café arábica

De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção mundial de grão de arábica na safra 2021 foi de 101 milhões de sacas.

Já no Brasil, a produção de café arábica chegou a 31,42 milhões de sacas, uma redução de 35,5% em relação à safra passada. Os dados são do 4º e último levantamento do produto, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Minas Gerais segue como o principal produtor de café no país. Com a maior parte do cultivo sendo destinada ao tipo arábica, a produção chegou a 21,86 milhões de sacas.

Café Coruja

O Café Coruja representa hoje mais de 7 famílias cafeicultoras cooperadas com produção 100% do café verde tipo arábica em aproximadamente 3 municípios no Sul de Minas Gerais, Cerrado mineiro e no Vale do Rio Pardo, conhecido como a média mogiana do estado de São Paulo. Mais de 95% dos produtores associados correspondem à agricultura familiar. E que compõe os mais exigentes blends do mercado internacional.

80% das atividades da cooperativa correspondem às exportações, levando o café arábica para consumidores de 50 países.

Conheça www.cafecoruja.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma xícara de café por dia pode evitar lesão renal aguda, indica estudo

Estrada da vida

Café coado em filtro de papel é associado a menor risco de morte